sábado, 10 de abril de 2010

Unidos pela poesia

Conheci um menino sonhador de olhos tristes. Era um poeta! Os óculos, muitas vezes, disfarçavam a solidão emitida pela íris, era, para ele, um disfarce, uma saída.
Conheci um homem corajoso de olhar amigo. Coração puro e ombro disponível apesar da sua carência de colo.
Incrível foi o amor ter surgido logo após um ou dois encontros de palavras. A poesia foi responsável por isso.
Planejamos um contato real durante tempos...
E enfim era chegada a hora...
Em meio a multidão que se alojava, os olhos curiosos a procura um do outro.
Um grito.
Era ele.
A corrida desenfreada e a vontade de sentir o calor do abraço pela primeira vez, já sentido tantas vezes em sonhos e pensamentos.
Não poderia ter sido mais perfeito!
E, uma vez, despido das lentes, mostrou-me os olhos e mal percebi que o que lhe faltava eram os óculos.
Eram lindos os seus olhos. De um brilho e uma transparência sem igual.
E nós fomos amigos até aquele dia.
Fomos amigos de verdade. Daqueles que se criticam e continuam a se amar.
Mas hoje...
Hoje, irmãos...
Irmãos de alma, coração...
E "sangue frio". [hehehe].

Existe amizade sincera e sem interesse entre um homem e uma mulher. E aos que não acreditam nisso, fica o meu desejo de que um dia aprendam a viver.

(Laiana Vieira).

4 comentários:

J.B disse...

Que lindas palavras Lai... Que mágia é o encontro entre almas que tanto se buscavam, assim é a amizade, sobre amizade entre homem e mulher quando verdadeira é a coisa mais digna e linda de se ver e viver. parabéns pelo post, parabéns pela realização desse seu lindo sonhos, que sua irmandade dure eternamente... beijos

Luh Alves disse...

Amizade linda, pura, inocente, verdadeira e se naum bastasse isso, ainda é perfeitamente poetica.
Extremamente bonita de se ver, se sentir, pq a gente também sente isso. Naum fica restrito apenas a vc´s dois.
E agora, o melhor de tudo é saber que ela naum ficou só no mundo virtual né?! Ela é de verdade, pertence ao mundo real, é de carne, osso e coração.
Encontro mais que perfeito mesmo.

E eu, ganhei mais um irmão. Um irmão lindo que eu adoro.
Bjuxx amores.

Anderson disse...

No entre-lugar da dor, a poesia retine e ressoa pala além dos ouvidos da dor, da quimera e da mera representação da vida. Traços poéticos são difíceis de ser apagados, mas efêmeros o suficiente para serem igualados a escritos nas areias das praias. Falar sobre um encontro ou, de forma mais coesa e satisfatória, falar sobre um reencontro de almas é, inevitavelmente, falar de poesia; esta mesma que aproxima mundos, anos, séculos...
Assim foi e assim será até o brotar da última pétala e ao existir do último homem. Figurados nada além de nossas memórias, tais retratos tatuam apenas as peles envolvidas nesse processo, o que deve marginaliza-se, é opróbrio sem interesse. Diante desse quadro, a triste figura ou não, um devaneio, um sonho de uma noite de verão (quem sabe...)?

Alana. disse...

haha. Minha história começou de um jeito idêntico... mas teve uma continuação diferente... Mesmo assim me identifiquei muito. Linda a forma como você expressou isso... beeijo